Texto 3 de 2013

Havia um tempo em que minha mãe comprava um potinho de molho chamado Gourmet, não me lembro de qual marca era. Eu passava aquilo em bolacha água e sal e mandava pra dentro, tudo isso acompanhado de queijo cabacinha e Toddynho gelado na temperatura certa, eram minhas tardes gourmet e mesmo assim não custavam muito caro, talvez tenham me custado hoje, não sei. E os filmes hollywoodianos cheios de explosões e com uma direção de arte que ultrapassa o bom gosto (ou bom senso) tem cada vez mais valor agregado graças ao incremento aritmético do seu frame rate, graças às sua explosões em 7.1 e até à borrifada de água gelada na cara toda vez que Sid e Manny descem montanha abaixo esquiando.

Havia um tempo em que eu ia em exposições para ler o que estava escrito nas paredes, observar o que estava exposto e por vezes interagir. Até o dia em que eu descobri que não havia ganhado uma caixa de blu-rays (ou dvds gourmet) do Kubrick em uma rifa e tive que entrega-la para o verdadeiro dono, daí seguiu-se a rotina do prêmio de consolação que me levou inexoravelmente para um negócio novo, lá no passado, quando eu entrei em uma exposição e de fato senti tudo aquilo que estava sendo exposto: loucura, medo, soberba. É muito fácil fazer você sentir pânico de altura te jogando do alto de um prédio. É muito fácil achar que existe algo novo e melhorado no mundo mas as melhorias do mundo seguem o contingente do aumento da segurança no mundo, e assim o mundo vai cada vez se transformando nessa coxinha gourmet gigante que a gente morde toda vez que tem que digitar o código de desbloqueio da programação com classificação indicativa acima de 18 anos. 

E assim subverte-se a linguagem e converte-se a forma na própria arte, 1K, 4K, 16K, Kobo, Playstation 3, Playstation 4, iOS8 e o que fazer com isso tudo? Nem tudo o que melhora, melhora pra melhor mas quando o é…

Anúncios

Sobre drepo

Pedro Lacerda, filho de Robson Lopes e Marivalda Lacerda, do Vale do Jequitinhonha.
Esse post foi publicado em Cinema, Crônica, Texto e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Texto 3 de 2013

  1. fernandestali disse:

    Mas quando o é o quê?
    Acho que Quiche é muito mais coxinha do que coxinha e a pessoa que criou esse termo usou o salgado errado para identificar o boboca de suéter, ou blusa da Abercrombie, ou pólo Lacoste… Depois veio o rei dos camarotes ilustrando tudo isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s