A eternidade e o desejo

Gostarias que eu pudesse ver como a luz da Lua me abraça. Sinto as mãos da lua. Sinto-a como se uma criança estivesse no alto do céu a brincar com marionetas de seda. Como se a Lua fosse uma dessas marionetas de uma história infantil. Digo-te que ardo de desejos por ti. Perguntas-me se ouço o sussurro do mar, respondo-te que escuto apenas o marulho do teu corpo chorando pelo meu. Dizes-me que abra a tua pele e me feches dentro dela. Digo que o teu corpo tem perfume de deserto, um gosto de areia distante do mar. Dizes que o teu corpo precisa da água do meu sexo. Digo que quero sentir o teu corpo inteiro dentro do meu. Agora.

Agora, sim. Tapas-me a boca com os teus dedos compridos, hábeis. Dizes-me que não fale mais, que já tem palavra demais nesse mundo.

Inês Pedrosa

Anúncios

Sobre drepo

Pedro Lacerda, filho de Robson Lopes e Marivalda Lacerda, do Vale do Jequitinhonha.
Esse post foi publicado em Texto e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A eternidade e o desejo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s